‘Poderia me Perdoar?’ – Julgamentos e Reflexões

>>‘Poderia me Perdoar?’ – Julgamentos e Reflexões

‘Poderia me Perdoar?’ – Julgamentos e Reflexões

Por | 2019-03-13T04:20:16+00:00 13 de março de 2019|Colunistas|0 Comentários

A vida de um grande talento transita por momentos em que ele colhe os seus frutos como também tem que enfrentar os seus inúmeros percalços. Alguns trabalham em outros empregos para obter algum sustento, enquanto a sua verdadeira vocação acaba se tornando aos poucos um hobby indispensável. “Poderia Me Perdoar?” explora os fracassos de uma grande escritora, cuja a sua cruzada é redescobrir o seu dom na escrita de uma forma inusitada.
Dirigido por Marielle Heller, do filme “Caçada Mortal” (2014), o filme conta a história da jornalista Lee Israel (Melissa McCarthy) de “Missão Madrinha de Casamento” (2011), que sofre com problemas financeiros e não consegue a inspiração para criar um novo livro. Certo dia ela encontra a carta de uma personalidade falecida e decide forja-la para vender em troca de um valor alto. Com ajuda do seu amigo Jack Rock (Richard E. Grant) de “Logan” (2017), ela começa a ganhar bastante dinheiro mas, paga um preço muito alto durante o percurso.
Embora o filme possua uma temática diferente, não tem como a gente deixar de compara-lo com a série mais do que cultuada “Breaking Bad”, já que em ambos os casos são sobre dois grandes talentos em suas profissões, mas que se veem presos em suas escolhas e na luta para dar a volta por cima. Raramente ficamos julgando as ações de Lee, já que no seu mundo particular ela se vê em ruínas e sem muitas expectativas. Uma vez que ela começa a cometer crimes quase imperceptíveis, ela começa também a voltar a sentir gosto pelo que faz e reacendendo um fogo a muito tempo esquecido.
O filme fala sobre os grandes talentos que a gente encontra durante a vida, mas que, infelizmente, damos pouco crédito a elas. Jack Rock, por exemplo, é um desses talentos cujo próprio corpo não lhe suporta gerando posteriormente sérias consequências. Richard E. Grant dá um verdadeiro show com o seu personagem e coloca o filme no bolso sempre que aparece.
Revelada para o mundo através das comédias de sucesso, Melissa McCarthy vem desempenhando uma carreira curiosa, onde a sua transição de atriz comediante para papeis mais desafiadores vem atraindo a atenção daqueles que a assistem. Talvez a sua personagem Lee Israel venha a ser um dos seus melhores papeis até aqui, já que é uma personagem que se apresenta para nós de uma forma pouco sociável, mas que aos poucos se revela um ser desconstruído através dos seus próprios erros e do seu entorno implacável. Não há como não se emocionar em duas cenas cruciais da trama, uma que acontece em seu apartamento e outra na reta final, onde ela faz um discurso lúcido, diante do precipício que ela mesmo criou.
Com uma belíssima reconstituição da época dos anos 90, “Poderia me Perdoar?” é sobre grandes talentos presos em suas próprias bolhas e os caminhos imprevisíveis pelos quais enveredam.

Sobre o Autor:

Crítico de cinema do blog Cem Anos Luz. Associado do Clube de Cinema de Porto Alegre. Colaborador das paginas A Hora do Cinema e Cinema Sem Frescura Participante de mais de 80 cursos de cinema do Cine Um de Porto Alegre.

Deixar Um Comentário