“Aquaman” e o Universo expandido da D. C

>>“Aquaman” e o Universo expandido da D. C

“Aquaman” e o Universo expandido da D. C

Por | 2018-12-13T14:41:02+00:00 13 de dezembro de 2018|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Aquaman (Ação/Aventura/Fantasia); Elenco: Jason Momoa, Amber Heard, Willem Dafoe, Nicole Kidman, Dolph Lundgren; Direção: James Wan; Austrália/USA, 2018. 143 Min.

Desde “Mulher Maravilha” que a D. C Comics tem surpreendido e dessa vez não é para menos. Com uma história muito bem contada sobre a origem do rei de Atlântida, o semi atlante Arthur Curry, mais conhecido como Aquaman, James Wan  e sua trinca de roteiristas deram um baile na telona sob a batuta do produtor Zack Snyder. O longa, ao contrário dos demais da D.C,  é colorido, engraçado, bem construído, bem produzido e o que salta aos olhos é a criatividade do designer de produção e da direção de arte. Ainda traz assuntos bem atuais para serem pensados como o fascismo e a preservação ambiental. Ou seja, uma grata surpresa que promete uma bilheteria e tanto (na China já ultrapassou os cem milhões de dólares em quatro dias de exibição) e, ainda, desconstruir o estereótipo da D.C no universo expandido das HQs no cinema.

O viés do roteiro da presentação de Aquaman em carreira solo no universo expandido para o cinema  é a contar a história de sua origem. E a linha de abordagem é fiel  ao arcabouço das HQs quando evoca flashbacks explicativos muito bem postos ao longo da exibição. O filme é feliz quando apresenta bastante ação e como descanso da tensão insere, aos poucos, a história do herói. Mistura linguagem de vídeo game e cinema, faz referências a “Mulher Maravilha” e  “Homem de Aço” e tem muita tiradas cômicas procedentes (Sim, e é da DC). Tem um designer de produção e uma direção de arte cuidadosa, esmerada e fascinante. E como se não bastasse, traz temas como a mestiçagem e preservação ambiental para serem pensados.

“Aquaman” é produzido por Zack Snyder de “O Homem de Aço” (2013) e é dirigido por James Wan de “Jogos Mortais” (2004); “Invocação do Mal” (2007) e ; “Velozes & Furiosos 7” (2015). Apropriando-se da história criada por Mort Weisinger e Paul Norris em 1941 a galera fez bonito e apresentou o segundo, possível, sucesso consecutivo da D.C. O filme é longo, 2 horas e 20 Min, mas é tão bem temperado que não se sente o tempo passar. Conta com Willem Dafoe de “Pasolini” (2014) como Vulko e Nicole Kidman de “O Estranho que nós Amamos” (2017) como Atlanna no elenco. Com tudo isso ainda é cedo para dizer: “te cuida, Marvel”, mas que a DC está vindo com tudo, isto está.

O longa dirigido por Wan não é só para os fãs dos quadrinhos e nerds de plantão, mas para cinéfilos de uma forma geral e amantes da sétima arte que sabem apreciar uma produção bem feita tecnicamente. “Aquaman” é um dos poucos filmes que se pode dizer que o filme é muito melhor do que o que se vê no trailer. Numa palavra: Grandioso!

Recomenda-se ver em tela IMAX.

 

 

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário