Barreiras

Barreiras

Por | 2017-12-04T22:58:44+00:00 4 de dezembro de 2017|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Barreiras (Barrage)  (Drama); Elenco: Lolita Chammah, Themis Pauwels, Isabelle Huppert; Direção: Laura Schroeder; Luxemburgo/Bélgica/França, 2017. 112 Min.

Representante de Luxemburgo na 90ª edição do Oscar, o de 2018, “Barreiras” traz a história de Catherine (Lolita Chamamah)  e Alba (Themis Pauwels). Mãe e filha numa relação de conhecimento uma da outra depois de alguma negligência. Catherine deixou Alba ao nascer com sua mãe Elisabeth (Isabelle Huppert).  Uma década depois, retorna e tenta resgatar vínculos e criar laços.. A história é roteirizada por uma escritora premiada pela academia francesa e têm mãe e filha como interpretes das personagens. A saber: Isabelle Huppert e Lolia Chammah.

Dizem que “Filho de peixe, peixinho é”. Por mais que seja um ditado popular apenas, na realidade representa um peso e tanto. Neste caso para a filha de Isabelle Huppert. Impossível não comparar, não criar expectativas e tal. É isso não é bom, mas é inevitável. Lolita Chammah com mais de créditos como atriz na carreira, protagoniza a história dirigida por Laura Schoroeder, em um de seus primeiros trabalhos em longa metragem como diretora, numa produção eminentemente feminina: direção, roteiro, atrizes, trilha sonora, cinematografia e assunto (maternidade).

O longa for escolhido por Luxemburgo para representa-lo na corrida ao Oscar que, apesar de ser um filme com uma abordagem subjetiva bastante competente e, com um assunto bastante em voga deixa a desejar no ritmo e, pasmem, nas atuações que são quase teatrais e, aparentemente, sem muita química. O que merece destaque é vibe feminina da produção. A direção é de Laura Schroeder, conhecida por “Schatzritter” (2012) e pela série de TV “Comeback”, na qual dirigiu dois episódios. “Barreiras” é seu segundo longa-metragem e tem Isabelle Huppert como chamariz de público e sua filha como protagonista. O roteiro ficou com Marie Nimier laureada pela Academia Francesa de Letras com o prêmio Georges Brassens pelo romance/novela “Os inseparáveis” publicado pela Gallimard. A trilha sonora ficou com  marinheira de primeira viagem Pietra Jean Phillipson e a cinematografia ficou com a experiente Hélène Louvart de “O Cheiro da Gente” (2014), Ou seja, um time de mulheres para ninguém botar defeito discutindo um assunto feminino: a gestão da maternidade com a vida moderna e o novo conceito de mulher, de criação de filhos e de disciplina. Ou seja, transição geracional.

Em suma, “Barreiras” é um filme silencioso, discreto, com signos fortes o suficiente para representar um país na maior festa do cinema do planeta. Agora é torcer para não encarar um filme iraniano ou argentino. Porque aí, possivelmente,  vá ficar difícil. Mas vale o ingresso. Se de tudo for um pouco monótono (e o é), vale ver Isabelle Huppert contracenando com a filha. Como veem, até os cinéfilos mais cults rendem-se às mediocridades da tietagem.

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário