‘Colette’ – uma mulher além de seu tempo

>>‘Colette’ – uma mulher além de seu tempo

‘Colette’ – uma mulher além de seu tempo

Por | 2019-01-08T04:02:43+00:00 17 de dezembro de 2018|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Colette (Biografia/Drama/History); Elenco: Keira Nightley; Dominic West; Direção: Wash Westmoreland; Reino Unido/USA, 2018. 111 Min.

Quantos filmes contam histórias de mulheres para além de seu tempo? Quantas mulheres foram revolucionárias em seus cotidianos e não ficamos sabendo? Sidone Gabrielle Colette (1873-1954) foi uma escitora francesa nascida no interior da frança que, ao casar-se com um escritor famoso, foi viver na capital francesa e fazer parte do crème de la crème da intelectualidade, Lá descobriu seus talentos, descobriu a si mesma e o que se desenrolou ao longo de sua vida foi uma jornada fascinante de altos e baixos e muita coragem. Mais que isso, desenvolveu-se em Colette o fascínio pelos imprevistos da vida e pelo desconhecido. O roteiro de “Colette” dá conta disso tudo numa produção fascinante com uma atuação admirável de Keira Knightley

Colette foi uma das maiores escritoras francesas de seu tempo. Nascida no interior do país e que ao casar-se passou a ser o escritor fantasma de seu marido Willy (Dominic West), descobriu-se bissexual e viveu com uma liberdade nada comum à época. O diretor Wash  Westmoreland  e sua trinca de roteirista empreendeu uma jornada de leitura de mundo a partir do olhar da literatura de Colette. A História é do saudoso Richard Glatzer de “O Último Hobin Hood” (2013) e a pegada feminina ficou por conta de Rebeca Lenkiewicz de “Desobediência” (2017) e “Ida” (2013). E o que se tem é uma história cujo viés é o da subversão e liberdade. Da luta contra o machismo da época, contra os usos do seu talento de escritora sem créditos a afronta de ousar viver o que se é.

Os grandes destaques ficaram por conta da interpretação de Keira Knightley de “O Jogo da Imitação” (2014) e de Dominic West de “The Square” (2017)e do figurino assinado por Andrea Flesch de “A Infância de um Líder” (2015), além de toda uma direção de arte ambientada na Paris dos séculos XIX e início do século XX. “Colette” é uma lição de vida para os menos ousados e uma apanhado histórico de um tempo e sua mentalidade. Vale a pena conferir.

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário