‘Frozen 2’ amor fraternal e autoconhecimento

>>‘Frozen 2’ amor fraternal e autoconhecimento

‘Frozen 2’ amor fraternal e autoconhecimento

Por | 2019-12-25T23:30:03+00:00 25 de dezembro de 2019|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Frozen 2 (Frozen II) (Animação/Aventura/Comédia); Elenco: Kristen Bell/Erika Menezes; Idina Menzel/Taryn Szpilman; Josgh Gad/Fábio Porchat; Direção; Chris Buck; USA, 2019. 103 Min.

Para iniciar o ano de 2020 a Disney traz de volta a animação musical Frozen, inspirada no conto “A Rainha das Neves” de Hans Christian Andersen. Dessa vez a aventura é em busca das origens dos poderes de Elsa. A saga trabalha com o viés do amor fraternal, do autoconhecimento, da herança de ações, versa, também, sobre confiança e lealdade. Com uma fotografia excelente, como é de esperar das animações da Disney, e um roteiro bem estruturado, leve e bem humorado, a continuidade da animação “Frozen: Uma Aventura Congelante” (2013) está a altura do primeiro filme sem deixar a desejar.

Elsa (Idina Menzel/Taryn Szpilman) e sua irmã Anna (Kriten Bell/Erika Menezes) vão para a floresta do norte para descobrir o segredo que se esconde sob o denso nevoeiro. Lá descobrem o povo da montanha, os acordos feitos pelos seus governantes e o pai de Elsa e a origem de seus poderes. Dirigido por Chris Buck de “Tá dando Onda” (2007) e Jennifer Lee, roteirista de ” Zootopia” (2016) a animação é um colírio para os olhos com uma paleta de cores tranquilizadora e rica em nuancese uma sinfonia para os ouvidos com Christophe Beck de “Homem-Formiga” (2015) e “Garfield 2” (2006) assinando a trilha sonora, o que possibilita que a animação abarque crianças menores. A animação tem bastante ação, descansos de atenção através da música e uma história bastante subjetiva – o que alcança os mais maduros e o público acompanhante – embora seja ligeiramente longo para o público infantil, a animação parece estar mais ajustada ao público infanto-juvenil no que diz respeito ao aproveitamento de toda a sua potencialidade como obra cinematográfica. A classificação etária é livre.

“Frozen II” está indicado a dois Globos de Ouro – melhor animação melhor canção original – e ao Annie Awards (o Oscar da animação) em sete categorias: animação, personagem de animação, designer de personagem, direção de animação, musica, atuação de voz para Josh Gad e roteiro. “Frozen II” tem uma abordagem parecida com a de “Playmobil – o filme” no que diz respeito ao amor fraternal, mas com estilos de arte completamente diferentes. Frozen é um dos clássicos da Disney e faz por merecer. Vale o quanto pesa!

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário