‘Normandia Nua’ uma reflexão sobre o tédio

>>‘Normandia Nua’ uma reflexão sobre o tédio

‘Normandia Nua’ uma reflexão sobre o tédio

Por | 2019-03-04T18:44:54+00:00 4 de março de 2019|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Normandia Nua (Normandie Nue/Naked Normandy)(Comédia/Drama);Elenco:François Cluzet, François-Xavier Demaison, Toby Jones, Arthut Dupont, Philippe Rebbot, Patrick d’Assumção, Grégory Godebois, Lucie Muratet;Direção:Philippe Le Guay; França, 2018. 105 Min.

Dirigido por Philippe Le Guay e estrelado pelo extraordinário François Cluzet de “Um Reencontro” (2014) e “Intocáveis” (2011), o longa passeia pelo cotidiano lento e calmo de uma cidadezinha a Normandia onde nada acontecia há muito e seus habitantes viviam em seus pequenos mundos arrochados pelo governo com sua política de incentivo a importação de produtos agropecuários. Cansados de uma vida marasmática e no limbo, resolvem aceitar o convite de um fotógrafo americano para pousarem todos nus no campo. Como veem nisso uma forma de protesto, aceitam e a confusão está armada. E descobrem que falar é uma coisa, fazer é outra.

O importante na abordagem é mostrar a prisão do pequeno e tedioso mundo no qual vivem todos os que se entregam a rotina e a necessidade do ser humano, em geral, de algo que mexa com as estruturas de vez em quando, além de brincar com as diferenças culturais entre franceses e americanos, onde ninguém entende ninguém. Numa saga gostosa em forma de comédia os roteiristas: Vitória Bedos de “Família Bélier” (2014); Olivier Dazat de “Asterix nos Jogos Olímpicos” (2008) e Philippe Le Guay – que também dirigiu o longa – de “Belas Famílias” (2015) versam sobre a forma de pensar negócios, família e amor em uma comunidade francesa do interior e a necessidade que o ser humano tem de algo novo que o faça sentir vivo.

O filme não é nenhum primor. É mais um filme francês para cumprir tabela de circuito com nomes que chamam público e se parece com “A incrível jornada de Jacqueline” (2016). Mas, vale a pena conferir por puro divertimento. Se há uma coisa que “Normandia Nua” faz, é divertir. Boa sessão!

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário