O Cidadão Ilustre

O Cidadão Ilustre

Por | 2018-05-31T16:34:27+00:00 29 de outubro de 2016|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

O Cidadão Ilustre (El Ciudadano Ilustre/ The Distinguished Citizen) (Comédia/Drama); Elenco: Oscar Martinez, Dady Brieva, Andrea Frigerio; Direção: Gastón Duprat e Mariano Cohn; Argentina/Espanha, 2016. 118 Min. #FestivalDoRio2016

” A verdade é o que alguém decide sobrepor às outras possibilidades. A realidade não existe. Ela é que você e seus pares acordam e ganha o lado quem tem mais seguidores”

(El Ciudadano Ilustre)

Representante da Argentina na corrida ao Oscar 2017 “O Cidadão Ilustre” foi dirigido por Gastón Duprat e Mariano Cohn e roteirizado por Andrés Duprat, a trinca dinâmica de “Querida, vou comprar cigarros e já volto” (2011) e do premiado “O Homem do Lado” (2009). Com um trabalho de filmagem que durou cinco anos e estrelado por Oscar Martinez o filme é um primor de abordagem subjetiva sobre o processo de criação de verdades e de realidades, sobre o poder que temos sobre o que decidimos ser e uma viagem divertida sobre tamanhos de mundos.

Daniel Mantovani (Oscar Martinez) é um escritor bem sucedido cujos personagens de suas histórias são todos de sua infância e juventude na cidadezinha de Salas. Seus personagens nunca saíram de lá e ele nunca havia conseguido voltar. Depois de ganhar o prêmio Nobel de literatura, recebeu um convite do prefeito de Salas para que fosse receber o título de cidadão ilustre e cumprir uma agenda cultural com seus conterrâneos. Após recusar convites importantes em outros eventos, Daniel resolve ir para Salas. Lá chegando é jogado, instantaneamente, em uma realidade da qual já não se lembrava mais e que já não era mais a sua. É exposto a uma série de situações inusitadas que são o painel das crenças das pessoas e da forma com a qual vêem o mundo e que são os caracterizadores de sua identidade coletiva. Andrés Duprat faz uma viagem competente e sutil pelas formas de ver e das escolhas do povo da cidadezinha e traça um paralelo comparativo, também sutil, com o mundo de Daniel Mantovani que, saído do mesmo lugar possui uma  abrangência de olhar e arejamento de ideias que incomodam e suscitam ódio aos seus conterrâneos.  O que começou amistosamente termina em guerra.

A personagem de Oscar Martinez é um indivíduo que usa a literatura para questionar a ‘realidade’. As amarras e as rédeas sociais não o prendem. Sua característica de personalidade  é a lealdade a si mesmo e a seus princípios. O discurso de recebimento do Prêmio Nobel traça o viés da personalidade de Mantovani. A magistralidade dessa abordagem está no registro dessas diferenças, nas situações que são postas, brindando-nos com uma variante de perspectivas cotidianas inteligentes. Não tem quem, em algum momento, não se identifique. O filme é empático e, ao mesmo tempo, questionador.

Oscar Martinez de “Relatos Selvagens” (2014) e “Koblic” (2016), pelo papel, abocanhou o prêmio de melhor ator no Festival de Veneza. Mas o forte do longa-metragem é o roteiro e a direção. O título da obra “O Cidadão Ilustre” é mais que um título honorário. Em suas várias possibilidades de interpretação chega mais perto da essência de um indivíduo que não se deixa cooptar por uma sistema que doma e manipula o indivíduo numa sociedade hipócrita. Divertindo com um humor sarcástico e ferino “El Ciudadano Ilustre” ( no original) fala sobre nós, o que acreditamos e nos diz que somos do tamanho que nos vemos, que verdades não existem e que a realidade é fabricada. “O Cidadão Ilustre” é a prova de que  o cinema argentino se supera a cada produção.

  • Panorama do Cinema Mundial #FestRio2016

 

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário