‘O Fim do Mundo’ – Cinema negro português

>>‘O Fim do Mundo’ – Cinema negro português

‘O Fim do Mundo’ – Cinema negro português

Por | 2020-08-28T03:07:42+00:00 28 de agosto de 2020|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

O Fim do Mundo (Ação/Crime/Drama); Elenco: Michel David Pires Spencer, Lara Cristina Cardoso, Marco Joel Fernandes, Alexandre da Costa Fonseca; Direção: Basil da Cunha. Portugal/Suíça, 2019. 107 Min.

O cineasta suíço Basil da Cunha filho de imigrantes portugueses dirige a co-produção Portugal/Suíça “O Fim do Mundo” que registra o cotidiano de violências numa comunidade de Lisboa. Tendo como locação o bairro periférico de Rebolera, o longa conta a história da digital de alma de Spira (Michel David Pires Spencer) num pequeno recorte de tempo de sua vida.

Spira é um jovem de 18 anos que viveu seus últimos 8 anos num reformatório e retorna à sua comunidade como um estranho. Não conhece suas irmãs, que são crianças, não tem pai, não conhece carinho e afeto, deseja sua mãe. No momento da formação de noção de limites sociais e culturais, Spira não teve educação e estava no inferno. Logo, não tem limites e traz o inferno dentro de si e o transpõe para a realidade dos que estão ao seu redor de uma forma bastante peculiar. Se predispõe a amar mas não sabe fazê-lo. O roteiro passeia lentamente por questões internas que o filme “Os Miseráveis” (2019) de Ladj Ly traz, mostrando as raízes desse processo de perpetuação da violência, o círculo vicioso e sua retroalimentação. Lembra também os temas abordados pelo cineasta português Pedro Costa em sua trilogia “Cartas da Fontainhas”. Com o diferencial de que, Basil da Cunha insere nessas questões o viés étnico.

“O Fim do Mundo” foi seleção oficial de vários festivais importantes mundo à fora, dentre eles, Locarno. E, ainda, abocanhou os prêmios de melhor filme em Capes Verde Internacional Fim Festival e na mostra Puento de Encuentro Award no Valladolid International Film Festival; além de melhor fotografia nos festivais de Les Arcs European e no Swiss Film Prize.

O longa é forte, é um representante do cinema negro português e traz questões pujantes para a reflexão. Vale a pena ser visto.

Para assistir na plataforma do SESC-SP gratuitamente, aceese o link abaixo>

http://www.sescsp.org.br/panoramasuico

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário