Pitanga

Por | 2017-04-15T20:22:15+00:00 15 de abril de 2017|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Pitanga (Documentário); Participações: Maria Bethânia, Chico Buarque, Gilberto Gil, Zé Celso Martinez; Direção: beto Brandt e Camila Pitanga; Brasil, 2017. 90 Min.

O documentário “Pitanga” dirigido por Beto Brandt e Camila Pitanga é um passeio pela história do cinema brasileiro tendo como atravessamentos o percurso estético, político e existencial da carreira do ator Antonio Pitanga. Em formato de conversas o longa-metragem apresenta o percurso artístico do ator entrecortada com uma energia que extrapola a tela e consegue fazer do espectador um participante das conversas.

“Pitanga” traz à baila o homem, o ator, o ativista e a grande alma que é Antonio Pitanga. A forma com a qual a exibição é conduzida dá espaço a sua alegria e espontaneidade, altamente contagiantes. Nas conversas temos de Joel Zito a Neville D’Almeida, de Paulinho da Vila a Chico Buarque, passando por Maria Bethânia, Caetano  e Gil, o documentário é um festival de sorrisos costurados por trechos de filmes em que Pitanga atuou ao longo de sua carreira que remontam a história do cinema brasileiro. Lembrando que o ator tem 77 anos.

Beto Brandt cineasta paulista, juntamente, com Camila Pitanga, que estreia como diretora, registram encontros de Antonio com amigos, familiares e  cineastas cuja montagem foi assinada por Julian Munhoz de “Pedro e Bianca” (série de TV- 2012/2013). O roteiro foi feito por seis cabeças dentre elas: José Carlos Avellar e Marçal Aquino e o resultado não poderia ser diferente. O filme foi premiado pela crítica na 40ª Mostra de São Paulo e pelo público na Mostra Tiradentes 2017.

“Pitanga” é para os que são fãs de documentários, do ator Antonio Pitanga, mas muito principalmente, do cinema brasileiro. É, já estava na hora de alguém contar a história desse deus de ébano do cinema nacional, num país mestiço no qual ainda reside tanto preconceito. Em tempo: a vibe do documentário não é o viés vitimista nem engajado é a alegria. Quem for ao cinema esperando uma história triste perderá a viagem, porque mesmo quando a barra pesa na narrativa a linha de fuga é a graça. O documentário “Pitanga” é conversa na sala de casa e vale o quanto pesa.

 

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Nenhum Comentário.

  1. anisioluiz2008 15 de abril de 2017 em 20:45 - Responder

    Reblogged this on O LADO ESCURO DA LUA.

Deixar Um Comentário