‘Suprema’ e o rastro silencioso da mudança

>>‘Suprema’ e o rastro silencioso da mudança

‘Suprema’ e o rastro silencioso da mudança

Por | 2019-03-14T11:41:41+00:00 14 de março de 2019|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Suprema (On The Basis of Sex)(Biografia/Drama);Elenco:Felicity Jones, Armie Hammer, Justin Theroux;Direção:Mimi Leder; USA, 2018. 120 Min.

Inspirado na história de vida da advogada Ruth Bader Ginsburg o filme intitulado “Suprema” na versão brasileira faz um trocadilho com a grandeza de RBG e sua posição na Suprema Corte Americana. Dirigida por Mimi Leder o longa traz para o grande público uma história silenciosa e discreta que foi o catalisador para muitas mudanças na legislação norte-americana. A obra traz a vida pessoal de uma das primeiras mulheres a estudar em Harvard na década de 50 e seu pioneirismo na luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Costurado pelo viés pessoal “On the Basis of Sex” (no original) tem como protagonista Felicity Jones de “A Teoria de Tudo” (2015) e Armie Hammer de “Me Chame Pelo Seu Nome” (2018) na pele de seu marido Martin Ginsburg. No rastro do filme vem o documentário “RBG” que concorreu ao Oscar 2019 e tem estreia prevista para maio. Ruth Bader Ginsburg tem sido inspiração para muita gente, primeiro pela sua luta contra a discriminação de gênero, depois pelo reconhecimento de seu trabalho quando foi nomeada para a Suprema Corte Americana. As duas obras se completam. “Suprema” como os relatos de vida pessoal e “RGB” com a trajetória de sua carreira.

O filme é dirigido por Mimi Leder oriunda de séries de TV e roteirizado por Daniel Stiepleman, que está em sua estreia em longas-metragens. Talvez por isso, sinta-se um certa incipiência em relação ao roteiro e as atuações. No roteiro acerca dos detalhes abordados que, em alguns momentos não são tão necessários, e na direção relativo a condução das atuações que, em alguns momentos têm cheiro de novela mexicana, mas no conjunto da obra o resultado é bom. o filme diz a que veio e faz jus à história de sua protagonista. Mas, RBG é mais, muito mais do que isso. Creio que o documentário dá conta, de forma mais competente e menos romantizada da biografia desta grande mulher e grande jurista americana.


Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário