‘Três Verões’ faz pensar rindo

>>‘Três Verões’ faz pensar rindo

‘Três Verões’ faz pensar rindo

Por | 2020-09-04T01:21:41+00:00 4 de setembro de 2020|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Três Verões (Comédia/Drama); Elenco: Regina Casé, Rogério Fróes, Octávio Muller; Direção: Sandra Kogut; Brasil/França, 2019. 94 Min.

Com a mesma fórmula de “Que Horas ela volta?” (2015) e “Casa Grande” (2014), “Três Verões” traz questões sócio-políticas e a abordagem das duas vertentes do ‘jeitinho brasileiro’ para serem pensadas de forma leve, misturadas ao cotidiano e com muito humor. Dirigido por Sandra Kogut de “Campo Grande” (2015), o longa é estrelado por Regina Casé que dá um show à parte e por tal, recebeu 3 prêmios da categoria em festivais mundo a fora.

Madá (Regina Casé) é uma caseira num condomínio de luxo, onde moram investigados da operação lava-jato em pleno processo de prisões. Usada, sem saber, como laranja por seu patrão, é uma metáfora muito bem desenhada de eventos acontecidos em nossa história política recente. Madá vive a vida como sabe, no improviso, contando os caraminguás, se reinventando para sobreviver, com muito bom humor, sem se dar conta do contexto político e social ao seu entorno. É partir dela e de seu ponto de vista ingênuo que a trama se desenrola.

O longa borda com maestria as duas vertentes do jeitinho brasileiro – o dos poderosos e os das pessoas comuns – como Madá e os empregados da casa. É uma narrativa brilhante quando mapeia os dois mundos e seus modus operandi, necessidades e objetivos a partir de seus vieses culturais. O roteiro alinhava três anos das vidas desses personagens, usando a metáfora de verões, independente de serem trágicos ou não, remetendo a uma visão de possibilidade de crescimento e mudança.

Roteirizado por Iana Cossoy Paro de “Eu te levo” (2017) e pela própria diretora, traz aspectos de choques culturais como os postos em “Intocáveis” (2011) e versa muito bem sobre as táticas de sobrevivência dos menos afortunados e a causa de seus infortúnios. A trilha sonora ficou por conta de Berna Ceppas de “Tim Maia” (2017) e a fotografia sob a batuta de Ivo Lopes de Araújo de “Tatuagem” (2013). O grande destaque fica por conta da atuação de Regina Casé que é primorosa e impagável. Por tudo isso, o longa abocanhou quatro prêmios. Três de melhor atriz para Regina Casé nos festivais de Antalya Golden Orange, no Málaga Spanish e no Festival do Rio e; melhor edição no Festival de Havana.

“Três Verões” é uma das pérolas dessa leva de estilo político light do cinema brasileiro que aborda questões políticas, econômicas e sociais de forma leve e pontuadas a partir do cotidiano, vistas de dentro e sem discursos maçantes, mas que, através da vivência cotidiana com um viés bastante volátil e bem humorado atravessa assuntos misturados aos costumes de classes e hábitos sociais. Vale a pena conferir!

Onde Assistir:

Estreia nos Drive-ins de São Paulo, Rio de Janeiro, Maceió e Nova Lima (MG) nos dias 04/09 e 05/09. Logo após, a partir do dia 16/09 estará disponível no Telecine, Now, Vivo Play e Oi Play.

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário