‘Scary Stories’ o retorno ao imaginário da oralidade

>>‘Scary Stories’ o retorno ao imaginário da oralidade

‘Scary Stories’ o retorno ao imaginário da oralidade

Por | 2019-08-08T17:43:53+00:00 8 de agosto de 2019|Crítica Cinematográfica|0 Comentários

Histórias Assustadoras para Contar no Escuro (Scary Stories to Tell in the Dark)(Terror/Mistério/Thriller);Elenco:Zoe Margaret Colletti, Michale Garza, Dean Norris;Direção:André Ovredal; Cnadá/USA, 2019. 111Min.

Quem nunca ouviu histórias assustadoras dos mais velhos, que passam de geração em geração pela oralidade, em sua infância? Quem nunca quis causar, no outro, espanto fomentando sua própria imaginação através de histórias contadas como lendas urbanas? Pois é. É esse o mote de “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro” dirigido por André Ovredal e produzido e roteirizado por Guilhermo Del Toro de “A Colina Escarlate” (2015). Só que desta vez o ato de contar a história cria vida e escreve a história de quem a escuta. E essa pegada é sensacional.

Baseado no livro de Alvin Schwarts cujo sucesso vinha da compilação de histórias orais contadas para assustar crianças e que continham ilustrações que pareciam saltar das páginas. “Scary Estories to Tell in the Dark” ( no original) é produzida por Guilhermo Del Toro que decidiu popularizar as estórias através do cinema. Sob a batuta de André Ovredal de “A Autópsia” (2016) e “O Caçador de Troll” (2010) o longa conta de história de estudantes secundaristas que acham um livro que pertencia a uma menina (Sara Bellows) torturada pela família e que escrevia suas histórias no porão da casa. A partir daí o livro começa a escrever dos que o acharam, um por um.

A adaptação foi feita por Marcus Duntan de “Jogos Mortais 6” (2009) e Patrick Melton de “O Colecionador de Corpos” (2012) e o roteiro foi feito a seis mãos: Dan e Kevin Hageman de “Hotel Transilvânia” (2012) e o próprio Del Toro. Mas, o que se destaca mesmo é o designer de produção de David Bristin de “A Saga Crepúsculo: Lua Nova” (2012) que mistura em seu trabalho estilos como os de “O Chamado” (1998) e “O Labirinto do Fauno” (2006).

No mais, “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro” é filme de terror para adolescentes com todos os clichês do gênero e para quem curte o retorno à infância, momento no qual as histórias orais, contadas pela avó ou por um tio, assustavam terrivelmente. O clima é esse, e só por isso já vale a pena conferir. Boa sessão!

Sobre o Autor:

Editora do site Cinema & Movimento e crítica cinematográfica

Deixar Um Comentário