‘Dedo na Ferida’ e o descortinar do neoliberalismo

>>‘Dedo na Ferida’ e o descortinar do neoliberalismo

‘Dedo na Ferida’ e o descortinar do neoliberalismo

Por | 2018-08-06T23:00:41+00:00 23 de julho de 2018|Recomendados|0 Comentários

Dedo na Ferida (Documentário); Participações: Maria José Fariñas Dulce, Constantin Costa-Gavras, David Harvey; Direção: Silvio Tendler; Brasil, 2018. 90 Min.

Introdução

Documentarista reconhecido, Silvio Tendler tem em seu currículo vários trabalhos  políticos, entre eles: “Jango” (1984); “Memória do Movimento Estudantil” (2007) e; “Tancredo: Uma Travessia” (2010). Com arquivo de imagens  de manifestações  em diversas partes do mundo e do movimento europeu contra a onda política neoliberalista de retirada de direitos sociais, o documentarista traz para a conversa profissionais das áreas de economia, antropologia, sociologia, ex-ministros e professores para explicar o que é o capitalismo por dentro, sob a ótica do mercado financeiro, e mostra como esses tentáculos atinge a todos nós. O painel é de uma luta de classes silenciosa e sobre como a macro realidade interfere na micro realidade e sobre como a realidade econômica atual não é uma fatalidade e sim um projeto.

O documentário

O formato do documentário é o  de uma rede em que estão entrelaçados por nós os aspectos histórico do capitalismo: sua ruptura da modalidade de exploração/produção para de especulação e o quanto isso traz consequências para a população mundial, principalmente aos menos favorecidos. Através de entrevistas em conjunto com imagens de arquivo o longa dá uma noção da panela de pressão que se tornou o mundo a partir da ruptura do capitalismo ‘produtivo’ para o especulativo através do mercado de ações. Tendo os bancos como centro de toda essa questão os entrevistados: David Harvey (Professor de Antropologia e Geografia da Universidade de New York); Maria José Fariñas Dulce (professora de Filosofia do direito da Universidade Carlos III, na Espanha); Boaventura de Sousa Santos (Professor de Sociologia da Universidade de Coimbra, em Portugal); Yanis Varoufakis (ex-ministro das finanças da Grécia) e Celso Amorin (ex-ministro das relações exteriores no Brasil) Tendler e o roteirista Sergio Barbosa de Almeida montam um painel da realidade mundial e ainda inclui nesse contexto os moradores das periferias, quando foca em personagens do município mais pobre do Rio de janeiro, Japeri.

 

Considerações finais

Sabe-se que o gênero documentário não tem o mesmo apelo comercial, ou mesmo o interesse do grande público como os blockbusters e filmes de ficção comercial (mesmo os cult), por mais que tragam de forma quase didática questões contemporâneas a serem pensadas. Documentário é um gênero que tem dificuldade de sustentar no circuito. O gênero já conseguiu avanços e tanto no fomento ao aumento de espectadores, tendo eventos específicos no mundo inteiro, no Brasil o grande destaque é o Festival É Tudo Verdade. Logo, dentro dessa realidade há que admirar quem aposte no estilo de narrativa e abordagem para o grande público com toda essa gama de informações  e nesse nível.

Sendo o cinema um espaço um espaço público há que se reverenciar a liberdade  que este espaço possui de trazer à baila, e cooptar interessados em, temas blindados para o grande público. “Dedo na Ferida” apesar de abordar um tema bastante específico, tem uma linguagem acessível, uma edição confortável ao entendimento e ajuda uma massa muito maior do que somente estudantes e acadêmicos a entender algumas  questões bastante técnicas, além de explicar o porquê de uma realidade tão díspar de crises e tormentos sociais que abarcam o mundo inteiro. E, mais, descortina toda essa querela de não haver recursos para os benefícios sociais e garantias de direitos trabalhistas e nos mostra que a questão toma ares de projeto, e esse é o grande mote do documentário. Vale a pena assistir, vale a pena ver de novo, vale a pena recomendar, vale a pena ter na videoteca de casa.

Sobre o Autor:

Amante da sétima arte e escritora por hobby

Deixar Um Comentário